Vinhos do Peru: conhecendo Pepe Moquillaza, um narrador de histórias líquidas

A motivação

Foi num sábado, na iminência de preparar a caipirinha que acompanharia a feijoada que seria servida no almoço, já com os limões galegos na mão, que me deparei com o bar carente de cachaça. Também não havia vodca ou rum, substitutos usuais para misturar com os limões. Tentando buscar uma solução que não fosse a clássica “se não há solução, o problema está solucionado: sem solução” – e sem caipirinha – notei uma embalagem esquecida no bar como um enfeite, um presente que já não lembro quem deu. A caixa dizia Pisco. E que não estava disfarçado de índio INCA, como aquelas garrafinhas que os amigos, que visitaram Machu Picchu, trouxeram como lembrança.

Continue lendo